Teatro Ibérico apresenta A RELÍQUIA, de Eça de Queirós

A Relíquia é uma história notável, arrasadora da hipocrisia social e dos brandos costumes, que são afinal mais fundamentalistas do que brandos. Com A Relíquia, Eça não cria uma grande história, como faz nos Maias. Apresenta, pelo contrário, uma caminhada patética como patéticos são os seus intervenientes. E são os defeitos dessas pesonagens que as guiam para uma grande aventura. É uma viagem de fanatismo, mentira, hipocrisia, reveladora de instintos primários sufocados por uma capa social e religiosa, tão frágil quanto superficial. Olhamos para eles e rimo-nos, mas não teremos algures nas nossas vidas comportamentos e atitudes assim? É esta a força do humor queirosiano. As alegrias e as tragédias das personagens são provocadas por elas próprias, por aquilo que elas têm de condenável. São tipos sociais, dão a cara pelo ridículo de toda uma sociedade, de todo um país.É esta obra que agora é levada à cena pelo Teatro Ibérico, numa adaptação de Filomena Oliveira e encenação de Onivaldo Dutra. A Relíquia transportada para o palco resulta numa comédia divertidíssima e numa sucessão de acontecimentos absolutamente delirante. São as vicissitudes de quem finge um papel que não é o seu e sobre quem a verdade pode desabar a qualquer momento como um estrondo e destruir todos os planos e ambições. E está lá tudo retratado, a fé de uma irracionalidade desmedida, o aproveitamento dessa fé para todos e quaisquer proveitos, a hipocrisia de não ser o que se parece e querer parecer o que não se é. A mentira, a traição, a ignorância e o desfile dos anseios mais primários estão todos lá e só estão porque Eça os decalcou da sociedade. E a sociedade, mudou muito desde o século XIX? Vale a pena pensar nisso ao assistir a este espectáculo. E o chico-espertismo não é uma moda do Portugal moderno? Se é, podemos bem olhar-nos ao espelho ao ver A Relíquia.Os responsáveis por este espectáculo quiseram ser fiéis não só ao espírito da obra como também ao da época, com as dificuldades que isso traz, ainda para mais a uma produção independente. Quando não é possível ter a ambiência do século XIX ali toda em cima do palco, criou-se um simbolismo que a define.

Encenação: Onivaldo Dutra; Adaptação: Filomena Oliveira; Interpretações: Carlos Alves, Manuela Gomes, Naná Rebelo, Miguel Ferraria, Pedro Conde, João Almeida, Carlos Catarino, Sérgio Coragem e Tânia Alves.

De 25 de Março a 2 de Maio, de quinta a domingo às 21h30, Teatro Ibérico (Rua de Xabregas, Lisboa).
Para reserva de bilhetes: 218682531 / 913202005
Preços: 10 euros; 8 euros para estudantes e maiores de 65 anos; desconto de 50% mediante apresentação do Cartão Cultura da revista Sábado

PANCAKES SHOW no Teatro Ibérico (novo vídeo)



De 5 de Fevereiro a 1 de Maio
Sextas e Sábados às 23:30

Teatro Ibérico
Rua de Xabregas, 54
Beato – Lisboa

Reservas:
218682531 / 966564933 / 913202005

Preço dos Bilhetes:
Normal: 10 € (com direito a uma panqueca e um café ou chá)/
Estudantes e 3ª Idade: 8€