Avançar para o conteúdo principal

Teatro Ibérico apresenta A RELÍQUIA, de Eça de Queirós

A Relíquia é uma história notável, arrasadora da hipocrisia social e dos brandos costumes, que são afinal mais fundamentalistas do que brandos. Com A Relíquia, Eça não cria uma grande história, como faz nos Maias. Apresenta, pelo contrário, uma caminhada patética como patéticos são os seus intervenientes. E são os defeitos dessas pesonagens que as guiam para uma grande aventura. É uma viagem de fanatismo, mentira, hipocrisia, reveladora de instintos primários sufocados por uma capa social e religiosa, tão frágil quanto superficial. Olhamos para eles e rimo-nos, mas não teremos algures nas nossas vidas comportamentos e atitudes assim? É esta a força do humor queirosiano. As alegrias e as tragédias das personagens são provocadas por elas próprias, por aquilo que elas têm de condenável. São tipos sociais, dão a cara pelo ridículo de toda uma sociedade, de todo um país.É esta obra que agora é levada à cena pelo Teatro Ibérico, numa adaptação de Filomena Oliveira e encenação de Onivaldo Dutra. A Relíquia transportada para o palco resulta numa comédia divertidíssima e numa sucessão de acontecimentos absolutamente delirante. São as vicissitudes de quem finge um papel que não é o seu e sobre quem a verdade pode desabar a qualquer momento como um estrondo e destruir todos os planos e ambições. E está lá tudo retratado, a fé de uma irracionalidade desmedida, o aproveitamento dessa fé para todos e quaisquer proveitos, a hipocrisia de não ser o que se parece e querer parecer o que não se é. A mentira, a traição, a ignorância e o desfile dos anseios mais primários estão todos lá e só estão porque Eça os decalcou da sociedade. E a sociedade, mudou muito desde o século XIX? Vale a pena pensar nisso ao assistir a este espectáculo. E o chico-espertismo não é uma moda do Portugal moderno? Se é, podemos bem olhar-nos ao espelho ao ver A Relíquia.Os responsáveis por este espectáculo quiseram ser fiéis não só ao espírito da obra como também ao da época, com as dificuldades que isso traz, ainda para mais a uma produção independente. Quando não é possível ter a ambiência do século XIX ali toda em cima do palco, criou-se um simbolismo que a define.

Encenação: Onivaldo Dutra; Adaptação: Filomena Oliveira; Interpretações: Carlos Alves, Manuela Gomes, Naná Rebelo, Miguel Ferraria, Pedro Conde, João Almeida, Carlos Catarino, Sérgio Coragem e Tânia Alves.

De 25 de Março a 2 de Maio, de quinta a domingo às 21h30, Teatro Ibérico (Rua de Xabregas, Lisboa).
Para reserva de bilhetes: 218682531 / 913202005
Preços: 10 euros; 8 euros para estudantes e maiores de 65 anos; desconto de 50% mediante apresentação do Cartão Cultura da revista Sábado

Comentários

Mensagens populares deste blogue

DITIRAMBUS: TEMPORADA 2018/2019 E NOVA DIREÇÃO

A Ditirambus esteve hoje reunida. Discutimos ideias, conversámos sobre a nova temporada que aí vem, a temporada 2018/2019, com novas produções, novos eventos e algumas novidades para os nossos espectadores. Também hoje iniciou funções a nova Direção, constituída por Carlos Alves, Joana Martins Lourenço e Rúben Silva. Os anteriores membros da Direção, Onivaldo Dutra de Oliveira e Célia Figueira mantêm-se nos órgãos sociais da Associação (ver lista completa dos órgãos sociais em baixo).
A Ditirambus é um projecto teatral com uma história grande. Os vinte e três anos da companhia estão recheados de grandes produções, várias deslocações pelo país, muitos autores, outros tantos atores que por aqui passaram. Estivemos nas Gaivotas, o actual Pólo Cultural das Gaivotas, em Lisboa, sim, essa foi a nossa sede, no início; agora, ensaiamos na zona mais ocidental da cidade; e é também aí que desenvolvemos e vamos manter uma forte ligação à Comunidade e às Freguesias daquela zona de Lisboa.
Esta his…

ESPETÁCULO DE HUMOR COM JOÃO SEABRA - ABERTURA DA TEMPORADA 2018/2019

A nossa temporada 2018/2019 vai ter uma programação, no mínimo, ambiciosa; acima de tudo, espera-nos muito trabalho. Pois, queremos começar este tempo com uma festa e partilhá-la com o público, com muito boa disposição. Decidimos que ia ser assim. Juntem-se a nós, comprem já o vosso bilhete, a lotação é limitada.
Convidámos o humorista João Seabra para uma noite de comédia, em Lisboa. O espectáculo terá lugar no dia 8 de Setembro, no Auditório da SFUCO, nos Olivais.
Contamos, nesta festa, com o patrocínio da Teresa Marques e do Carlos Cruz, da Remax.

Teatro Fórum como Vocação, Festival como Consequência

A Ditirambus realizou hoje o seu 4º Fest' Fórum, em co-produção com a Escola Secundária Eça de Queirós (há três anos que esta parceria se mantém). Foi, mais uma vez, um sucesso, quer no que toca à adesão e participação do público quer no que se refere à qualidade dos trabalhos. No total, foram apresentadas oito peças de teatro fórum, por parte de grupos de escolas de Portugal e Espanha e associações de âmbito social e cultural.

O Fest' Fórum é uma iniciativa da Ditirambus que surge naturalmente da nossa ligação ao trabalho de âmbito social, sobretudo (mas não só) com jovens. A nossa experiência em Teatro aliada à vocação de intervenção social que, há largos anos, vimos desenvolvendo, fez com que a técnica de Teatro Fórum se impusesse de uma forma natural. Daqui até à promoção de um festival dedicado a este tipo de teatro foi um passo. Um passo que nos traz até à 4ª edição consecutiva. A vontade, no fim deste dia, é que, no próximo ano, venha a quinta. Mas ainda temos um ano pe…