Jaime Salazar Sampaio

Os Dez Anos do Fest' Fórum Comemorados em Serpa


O Fest’ Fórum estabeleceu-se, ao longo dos últimos anos, como um evento único a nível nacional na partilha de momentos e discussão entre alunos, professores, artistas e amantes de teatro. Consideramos ser este um exemplo de cruzamento bem conseguido entre Artes e Educação, realidade para a qual o nosso país deve estar cada vez mais direcionado, como um ponto integrante, por exemplo, de uma desejável política cultural a longo prazo.

A edição de 2019 é especial, por dois motivos. Em primeiro lugar, porque comemoramos os dez anos da existência deste evento – a primeira edição foi em 2009 e decorreu no Teatro Ibérico, na época sob a direcção de Marco Mascarenhas, a quem nunca deixaremos de agradecer esse apoio inicial a um projecto que também sentiu e acolheu como importante. Em segundo, porque dez anos depois damos o salto para fora de Lisboa e vamos realizar o festival em Serpa. Não é de somenos importância que um evento desta natureza saia do lugar onde nasceu e procure outros pontos do país, onde a reflexão também é exigida e onde muitas pessoas trabalham diariamente pelas Artes e pela Educação em Portugal.

Acreditamos que este pode ser um evento de nível nacional. Já juntamos grupos de muitos locais, inclusivamente de Espanha, mas julgamos que podemos ter mais geografias representadas. E não precisam de vir sempre ter connosco, nós também podemos ir.

A Escola Secundária de Serpa foi presença assídua nas várias edições do festival, em Lisboa. No ano passado desafiaram-nos a irmos lá. Não podíamos sequer pensar em dizer que não. Os professores e alunos de Serpa vivem este festival como sendo deles e nós vamos lá porque, de facto, também é deles.

Uma última palavra, mas da maior importância, para a Escola Secundária Eça de Queirós, de Olivais – Lisboa. Se há instituição decisiva para que estas sete edições tenham existido e, dez anos depois, cá estejamos a promover mais um dia de Fest’ Fórum, é esta escola, nas pessoas da sua Direcção, nos seus professores, donde destaco o professor Onivaldo Dutra de Oliveira, o principal mentor, responsável e motor deste festival, e os alunos de Artes do Espectáculo daquela escola, em primeiro lugar, extensível a todos os outros estudantes. A Eça de Queirós vai connosco para Serpa, claro. O ónus deste sucesso é de todos nós.

Até 25 de Janeiro para um dia cheio de muito Teatro!

Carlos Alves


Comentários